(41) 3030-9090   (41) 3525-2355 (41) 3071-3535 (41) 3888-6777 atendimento@jbaimoveis.com.br

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Como checar a documentação na compra de imóvel usado


A formalização do contrato deve ser precedida de uma ampla pesquisa sobre o bem, a fim de evitar problemas

Com preços mais em conta e espaços maiores, em geral, os imóveis usados têm sido a opção para muitas pessoas que desejam adquirir a casa própria. Para que a realização do sonho não se transforme em pesadelo, a formalização da compra de imóvel usado deve ser precedida de ampla pesquisa da documentação do imóvel e de dono, a fim de evitar dores de cabeça futuramente. Um cuidado que evita até mesmo o risco de eventual perda do imóvel como consequência de alguma ação judicial movida contra o proprietário/vendedor. Possíveis problemas só podem ser identificados pela análise de documentos do imóvel e de seu dono.


Para começar, órgãos de defesa do consumidor orientam o comprador a ler com atenção a matrícula atualizada do imóvel. Esse documento contém todas as informações e/ou restrições, como, por exemplo, medidas do terreno, área construída, acréscimo de construção, proprietários anteriores e, principalmente, hipotecas ou dívidas pendentes. O documento pode ser pedido na forma de uma certidão no Cartório de Registro de Imóveis responsável pela região do imóvel, mediante o pagamento de uma taxa. A data de emissão dessa certidão deve ser recente, há menos de 30 dias.






Proprietário


Do proprietário, devem ser pedidos os seguintes documentos: - Certidão Vintenária com negativa de ônus atualizada. Fornecido pelo Cartório de Registro de Imóveis competente, o documento contém o histórico dos últimos 20 anos do imóvel: hipoteca, pendência judicial, titularidade, etc. - Certidões negativas dos cartórios de protesto da cidade onde o proprietário reside. - Certidões negativas de débito do IPTU. O comprador deve conferir se a metragem anotada na escritura coincide com a descrita no carnê. Se for um bem financiado, é preciso saber as condições de liberação ou transferência. Também é necessário obter a declaração negativa de débito ao síndico do condomínio.


Outro cuidado é consultar, na prefeitura, se não há projeto de desapropriação para a área onde está situado o imóvel. Se a negociação for intermediada por uma imobiliária, o consumidor deve ficar atento também a eventuais documentos complementares - quando o imóvel for financiado, são pedidos documentos pessoais e comprovante de renda do comprador.





Contrato


O contrato também exige cuidados. Os órgãos de defesa do consumidor recomendam que o contrato de compromisso ou promessa de compra e venda seja averbado no Cartório de Registro de Imóveis. Essa providência, que poucos compradores adotam para não desembolsar a taxa cobrada pelos cartórios, garante a realização do negócio, caso o proprietário queira desistir da venda. Ademais, ela evita golpes como o de venda do mesmo imóvel para diversos interessados e assegura a concretização do negócio para quem registrou o compromisso.


O momento de pagamento do imóvel não deve dispensar a lavratura da escritura definitiva de venda e compra, pelo Tabelião de Notas, com todas as informações da venda, incluídos os valores exatos do negócio.


As taxas referentes ao registro do imóvel - imposto sobre transmissão de bens imobiliários, taxa de escrituração imobiliária e encargos municipais - podem variar de 4% a 6% do valor do bem, dependendo da cidade.



Atenção


Apesar dos preços atraentes que um apartamento usado lança para o bolso do consumidor, é importante que ficar atento em alguns detalhes do imóvel antes da aquisição. Um imóvel mais antigo é igual um carro usado, precisa de mais atenção. Corre o risco de alguém ter feito a compra recentemente e já ter que realizar uma obra de reforma. Além da vistoria no estado de conservação do imóvel, devem ser observados itens como a situação da estrutura do prédio, dos elevadores, no caso de apartamento, administração e valor do condomínio.


A economia que foi feita com a compra de um imóvel seminovo pode ser toda comprometida com essas particularidades.




*A documentação do imóvel pode variar de região para região e do tipo do imóvel e deve ser analisada caso a caso.




Fonte: Diário do Nordeste
Comentar

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Decore seu loft com estilo



A tendência é que os espaços para moradia sejam cada vez menores, visando empresários que venham às capitais apenas a trabalho, e também estudantes e solteiros.






As ideias e a funcionalidade desses espaços têm se tornado cada vez mais interessantes e surpreendentes.




Os espaços são cada vez menores e melhores aproveitados, com diversos usos e funções.










Comentar

terça-feira, 24 de junho de 2014

7 dicas para a venda do seu imóvel ser um sucesso


Ainda que você não seja um investidor imobiliário, se você tem um imóvel próprio e deseja vendê-lo, certamente quer fazê-lo no menor tempo possível e conseguir o melhor preço – principalmente se for um segundo imóvel que só está dando despesa. Mas para isso, é preciso ter iniciativa e não ser intransigente demais nas condições.
A menos que você tenha um imóvel realmente irresistível e com um grande diferencial, vale a pena observar alguns cuidados para conseguir fazer uma venda de sucesso:
1 Tenha toda a documentação em dia, sem pendências ou inadimplência
Um dos pontos cruciais da vistoria feita pelos compradores é a documentação dos vendedores e do imóvel. Por isso é importante não ter dívidas em atraso que possam atingir o imóvel mesmo depois da venda, ou mesmo um processo de penhora já iniciado. A documentação em dia já será um ponto a seu favor.
É possível vender um imóvel que esteja em inventário ou que seja alvo de uma partilha de divórcio, mas isso pode afastar compradores que tenham medo de conflitos entre os herdeiros ou o casal que está se separando.



2 Deixe o imóvel apresentável para visitação
Especialistas em mercado imobiliário recomendam que sejam feitos reparos essenciais no imóvel antes de abri-lo para a visitação. Pintar as paredes de cores neutras, consertar defeitos mais aparentes (como pequenos vazamentos), tirar mofo e infestações por insetos, aparar a grama do jardim e fazer uma readequação elétrica e hidráulica são algumas dessas medidas.
Só não vale a pena fazer uma grande reforma e gastar muito dinheiro, pois as mudanças podem não ser do agrado do comprador, que poderá ter de reformar tudo de novo. 
Se o imóvel ainda estiver ocupado pelo proprietário ou por um inquilino, é recomendável retirar, na hora das visitas, traços extremamente pessoais e potencialmente polêmicos, como motivos religiosos ou decoração ligada às preferências musicais ou ao time de futebol do morador. A limpeza dos ambientes também é fundamental. 
Mesmo detalhes podem atrapalhar muito a venda se forem ignorados. Se o potencial comprador só puder visitar o apartamento à noite, por exemplo, ele não pode chegar lá e a luz estar cortada.



3 Não peça um valor fora da realidade
Como qualquer produto, imóveis têm concorrência. Provavelmente haverá propriedades à venda semelhantes à sua, em qualidade e em localização. De nada adianta pedir um valor muito acima dos preços dos imóveis com o mesmo padrão que o seu.
O valor fora da realidade limitará, desde o início do processo, o número de interessados. Não se iluda achando que receberá propostas e poderá, no momento da oferta, negociar.
A avaliação para chegar ao preço justo pode ser feita por um profissional do ramo imobiliário, mas o proprietário pode se valer de algumas estratégias, como uma pesquisa de preços dos imóveis à venda na mesma região e suas condições de conservação. Também é recomendável se informar sobre o preço e o estado de outras unidades vendidas recentemente no prédio onde está localizado o imóvel que você quer vender.



4 Não enrole para entregar o seu produto
O prazo de entrega costuma ser muito importante para quem compra um imóvel. Por isso, não tenha um prazo longo demais para desocupar sua propriedade e entregá-la. Quanto mais cedo ela for entregue após fechada a compra, melhor.



5 Não seja intransigente com as formas de pagamento e horários de visitação...
Principalmente se seu imóvel sofrer muita concorrência de imóveis semelhantes – no mesmo bairro e às vezes até no mesmo condomínio – vale a pena ser flexível com as formas de pagamento e aceitar parcelamentos ou financiamento.
Outra coisa que pode dificultar a venda é muita restrição aos horários de visitação ao imóvel. A maioria dos potenciais compradores visita imóveis antes e depois do expediente de trabalho e aos fins de semana.
É uma boa ideia, portanto, aceitar visitações fora do horário comercial, em faixas de horário e dias específicos - por exemplo, aos sábados.
No entanto, fique atento às medidas de segurança. É importante saber quem é o interessado, e ele deve vir com documento de identidade e acompanhado de um corretor.





6 ...mas limite a visitação a horários em que o imóvel esteja apresentável
A ocupação do imóvel pelo proprietário ou pelo inquilino pode tanto ajudar quanto atrapalhar a venda. Se o apartamento estiver bem decorado, isso ajuda na venda. Os candidatos a comprador não têm muita noção de espaço quando o imóvel está vazio. É por isso que as incorporadoras montam apartamentos decorados.
Deve-se dar preferência à marcação de visitas em dias e horários em que o imóvel esteja arrumado e apresentável. E evitar horários inconvenientes para o morador. É preciso agendar horários em que o apartamento esteja bonito para se ver.



7 Contrate uma única imobiliária
É aconselhável contratar uma boa imobiliária para cuidar do processo de venda de um imóvel, principalmente se você tem pouco tempo disponível. Assim você evita receber centenas de ligações, sendo que a maioria será de pessoas sem condições reais de comprar sua propriedade ou de corretores oferecendo serviços. 
 A imobiliária cuidará dos e-mails e das ligações, das questões legais, da marcação e do acompanhamento das visitas, da adequação dos interessados aos imóveis anunciados e da divulgação do seu produto nos canais mais adequados.
Quando você anuncia em várias imobiliárias, nenhuma delas trabalha direito o seu imóvel. Uma teme ter o cliente ‘roubado’ pela outra depois de levá-lo para visitar o imóvel, e elas receiam marcar a visita e o imóvel já ter sido vendido pela outra.
Além de verificar a idoneidade da imobiliária e dos corretores, é fundamental escolher uma empresa que faça boa divulgação pela internet e que seja especializada no tipo de imóvel que você quer vender e na sua região.




Se deseja vender o seu imóvel, entre em contato com a JBA Imóveis. 


Fonte: Exame
Comentar

sexta-feira, 20 de junho de 2014

5 erros de quem mora em apartamentos pequenos, e como evitar



Para ter uma vida boa, não é preciso uma casa grande nem muitos móveis. Aliás, talvez você ganhe um cotidiano mais fácil depois de limpar sua casa de alguns objetos e mudar-se para um local menor.

ERRO: Não planejar a casa de acordo com suas necessidades. Se você recebe visitas raramente, as cadeiras a mais na sala apenas desperdiçam espaço. Vale à pena encontrar-se com os amigos e parentes em um parque ou restaurante. Caso nunca leia os livros que guarda, vale à pena doá-los e liberar espaço nas prateleiras.
COMO EVITAR: Faça escolhas. Você precisa decidir o que é mais importante para você. Reflita sobre seu estilo de vida e escolha quais objetos vale à pena manter e quais funções a casa deve comportar. Se você não souber suas reais necessidades, perderá espaço e qualidade de vida.
UM BOM EXEMPLO: Sala integrada à cozinha. Para aumentar o espaço, divisórias entre sala e cozinha. Integrar sala de estar, cozinha e home-office significou, é claro, abrir mão das fronteiras entre esses cômodos.



ERRO: Comprar por impulso. Quem compra em excesso acaba tendo que disputar a casa gadgets, enfeites e móveis que não usa nunca.
COMO EVITAR: Antes de comprar, pergunte-se se realmente precisa do objeto. E se a necessidade for emocional? Você precisa mudar essa necessidade, caso vá viver em um espaço pequeno.
UM BOM EXEMPLO: Quarto de duas irmãs. Poucos móveis deixam bastante espaço para duas meninas de 8 e 11 anos brincarem nesse quarto pequeno de Curitiba.



ERRO: Manter eletrodomésticos pouco usados. Não vale a pena comprar eletrodomésticos que usará poucas vezes durante o ano. A não ser que você seja aficionado por massas resista à tentação de ter um fazedor de pães. A mesma regra vale para a máquina de fazer pipoca, sorvete ou crepes. Dependendo do seu estilo de vida, vale à pena abrir mão até do forno!

COMO EVITAR: Use os serviços da cidade. Apartamentos no centro da cidade costumam ser pequenos por causa do alto preço dos terrenos, valorizados por comércio e infraestrutura nas proximidades. Em vez de gastar espaço, use serviços como rotisserias, padarias e o pipoqueiro.
UM BOM EXEMPLO: Cozinha em apartamento de 49 m². Feita para um casal sem filhos, esse apartamento trocou o excesso de eletrodomésticos por espaço. As cores claras ampliam o ambiente.



ERRO: Exagerar no número de estantes abertas. Prateleiras abertas e preenchidas com objetos coloridos tornam o ambiente visualmente pesado. Elas diminuem a sensação de amplitude – por isso, dose-as bem.

COMO EVITAR: Cubra as prateleiras. Instale armários com portas de cores claras e sem estampas. Se a marcenaria não couber no orçamento, cubra-as com cortinas. Superfícies lisas tornam o ambiente menos claustrofóbico.
UM BOM EXEMPLO: Home-office em apartamento. Prateleiras com enfeites e armários protegidos por portas brancas nesse espaço. Assim, o canto de trabalho tem um visual leve e parece maior.

ERRO: Abusar das luminárias de chão. Essas peças costumam roubar preciosos centímetros quadrados e, com frequência precisam de mais espaço para ser admiradas.
COMO EVITAR: Adote lâmpadas no forro. Assim como as luminárias de chão, as lâmpadas embutidas e spots (pequenos canhões de luz) permitem criar ambientes de iluminação variados.
UM BOM EXEMPLO: Sala de estar.  Diferentes efeitos de iluminação graças a uma sanca iluminada e fileiras de luminárias embutidas no forro.



 Fonte: Exame
Comentar

quarta-feira, 18 de junho de 2014

Pets: decorações que dão certo



Para você que busca um espaço agradável para o seu animal de estimação, seguem algumas dicas abaixo:





Existem móveis exclusivos que agregam funcionalidade, organização e conforto para o seu bichinho e que podem fazer parte da decoração da sua casa.







Uma ideia interessante é utilizar o espaço embaixo da escada, muitas vezes sem uso.
Outra ideia seria anexar aos móveis, nichos com colchões e almofadas para eles.




Algo que seria interessante, principalmente para os gatos, seriam formas para distrai-los, como degraus; escadas que façam parte da decoração.








Comentar

terça-feira, 17 de junho de 2014

Soluções adaptáveis e multifuncionais: o primeiro imóvel de jovens recém-casados


Projeto valoriza a integração máxima para dois moradores que têm por prazer receber amigos e familiares para confraternizações



Na maior parte do tempo, o living é curtido a dois, mas no fim de semana o apartamento revela a sua verdadeira vocação: receber visitas. E reunir amigos e familiares é sinônimo de festa e alegria para os proprietários.
As necessidades não eram poucas. Foi pedida, próxima à churrasqueira, uma mesa para várias pessoas. Tudo com aproveitamento de espaço para guardar presentes de casamento e o que eles fossem adquirindo com o.



Para isso, profissionais setorizaram o espaço de 27 metros quadrados em três áreas chaves: refeições, estar com TV e relax. A primeira ganhou mesa quadrada, sofá-baú em L com futon e quatro cadeiras em camurça, opções que permitem acomodar confortavelmente oito pessoas ou mais e guardar objetos de uso eventual. Foi aproveitada ainda a pia e a churrasqueira para a inserção de armários e nichos, tudo com acabamento melamínico amadeirado.



Soluções que permitem receber um maior número de convivas e ajudam a manter em ordem tudo o que eles têm.
A área seguinte, no centro do living, é caracterizada pelo home theather, com TV de 42 polegadas, e sofá em camurça berinjela retrátil e reclinável, acionado por controle remoto, conforto tanto para os donos quanto para as visitas.



Por fim, a área de relax próxima à entrada do apartamento, tem amplo futon sobre baú sob medida, onde são guardados pranchas de surfe e outras peças volumosas. Completa o recanto uma peça curinga: estante com nichos, que acomoda objetos, louçaria e tem bancada com gaveta para teclado do computador.
Tudo é versátil e flexível na casa de quem a vida a dois está apenas começando.



Composição cromática


A proposta da paleta de cores complementa a ideia do projeto: moderno e dinâmico. O neutro cinza nas paredes e na marcenaria de base entra com a chancela da contemporaneidade, e a madeira da melamina, com o toque de aconchego.
A cor vibrante fica a cargo do amarelo, que aparece em detalhes como o tom principal ao lado do berinjela e também do verde.
Eles queriam uma base neutra para a gente poderia brincar e mudar ao longo do tempo, mas também pediram jovialidade e intensidade. Nas almofadas de diferentes texturas e tecidos que estão sobre o futon e o banco do jantar é que está o detalhe do multicolorido, e que permitem mudar o visual quando acharem necessário.



Iluminação projetada


O projeto luminotécnico de um espaço multifuncional deve acompanhar as demandas de uso sem interferir na proposta estética. É o caso deste living , no qual o rebaixo de gesso com sanca única faz a base. Aliado a isso, pendente, arandelas e focos embutidos ajudam a criar cenários de acordo com a ocasião. Mas não só eles.
A luminária retroluminada que o casal já havia trazido durante viagem no Canadá dá um toque extra de personalidade.
É uma peça versátil e, que aqui entrou quase como um pendente, mas tem efeito de luminária de piso e que, além de tudo, quase não ocupa espaço.

Fonte: ZH
Comentar